+351 960 155 426

Cracóvia: Desvenda o Grande Tesouro e Orgulho da Herança Cultural da Polónia

Image

Cracóvia: Desvenda o Grande Tesouro e Orgulho da Herança Cultural da Polónia

Instalada nas margens do rio Vistula, encontra-se uma das cidades mais impressionantes da Europa, repleta de monumentos e edifícios históricos que fazem dela a capital cultural da Polónia. Considerado um destino animado e acessível para se viajar, no coração da Cracóvia pulsa a mais importante vida académica e artística do país.

Com algumas das suas joias consideradas Património Mundial da UNESCO, a Cracóvia tem um património cultural indiscutível. Esta cidade vai-lhe proporcionar um misto de agradáveis experiências e uma total imersão na história da Cracóvia…Pronto para a viagem?

A riqueza histórica da segunda maior cidade da Polónia

Aconselhamos-lhe a visitar Cracóvia entre os meses de maio e agosto, pois as temperaturas são mais agradáveis. O verão costuma ser húmido e quente, ultrapassando os 30°C entre junho e julho. Para passeios ao ar livre e caminhadas, o mês de maio e setembro são mais indicados, pois a temperatura ronda os 25ºC.

Uma vez chegado a cidade, a melhor opção é andar a pé, porque tudo encontra-se muito próximo, daí que seja importante alojar-se no centro. Vai viver momentos fascinantes nas suas visitas a monumentos seculares, e deliciar-se com obras de arte de classe mundial e curiosidades impressionantes.

A cidade remonta ao século VII, e desempenhou o papel de capital política da Polónia entre os séculos XIV e XVI, com traços de uma mistura única de arquitetura gótica, renascentista e barroca. Atualmente, é um dos polos económicos mais importante do país, tendo sido nomeada Capital Europeia da Cultura no ano 2000.

Com edifícios de estilo marcadamente medieval, a Cracóvia foi igualmente capital do Governo-Geral Nazi durante o período da Segunda Guerra Mundial. Pouco danificada durante os bombardeamentos, a cidade conseguiu conservar boa parte de suas belas igrejas históricas.

A Cidade Velha: Património da UNESCO desde 1978 e uma das mais antigas cidades polacas

Começa por explorar a Cidade Velha em Stare Miasto, o centro histórico de Cracóvia com as suas igrejas góticas e a gigantesca Praça do Mercado ou Rynek Glówny, em polaco. A cidade velha é composta por uma malha de vias perpendiculares, ladeada por edifícios antigos muito homogéneos, onde todas as ruas vão dar à Praça Principal (Rynek Glówny).

O centro abriga uma das maiores e mais bonitas praças de toda a Europa. Com quatro hectares de extensão e sendo o ponto estratégico da cidade, prepare-se para entrar num verdadeiro cenário medieval de fazer vibrar os sentidos. Com uma forma retangular e uma existência que remonta ao século XIII, nesta praça vai encontrar o grande mercado onde poderá provar iguarias acompanhadas de vinho ou cerveja. Repleta de esplanadas, restaurantes, cafés e bares, vai deparar-se igualmente com diversas lojas de roupas e de souvenirs da Cracóvia.

Nesse local não deixe de visitar a maior atração da Praça: a Basílica de Santa Maria, originalmente do século XII mas reconstruída no século XIV. Com duas torres assimétricas e uma fachada em tijolo, poderá não achá-la espetacular por fora, mas ficará deslumbrado com o seu interior. A nave é um festival de capelas, altares, púlpitos e colunas encimadas por um teto estrelado. De hora a hora, ouvirá um toque de trompete proveniente da torre mais alta, em memória de uma lenda antiga.

Ainda no interior da Praça do Mercado, pode avistar a Torre Municipal de 75 metros de altura. Trata-se de uma torre gótica, com uma cúpula em estilo barroco, onde no verão é possível subir até ao topo. Aproveite, pois esta é a única parte da antiga Câmara Municipal que se conservou intacta. Espreite o belo café na sua cave, e ainda o Museu Histórico da cidade que funciona também lá dentro.

A Cidadela de Wawel: símbolo de identidade nacional e santuário impressionante da Cracóvia

Continuando a sua visita, circule pela Rua Grodzka, a rua mais antiga de Cracóvia, que liga a grande praça central à antiga Cidadela de Wawel. Situada na margem do rio Vístula, e sendo um dos complexos arquitetónicos mais importantes do país, é composto por um castelo renascentista, um palácio real e uma bela catedral gótica, com capelas reais funerárias.

O majestoso Castelo Wawel, símbolo mais importante da Polónia, encontra-se no cume da colina Wawel, e está na lista de Patrimônio Mundial da UNESCO. Deixe-se encantar por este castelo, residência de três dinastias dos reis da Polónia, quando a Cracóvia ainda era a capital. Construído inicialmente em estilo gótico, passou por várias reformas e remodelações, ganhando características renascentistas.O Castelo pode ser visitado, assim como os seus diversos museus. No exterior, encontra-se o Dragão de Cracóvia. Trata-se de uma lenda muito famosa na cidade e uma atração turística muito concorrida. O dragão solta regularmente rajadas de fogo pela boca, para fascínio dos turistas.

Junto ao castelo, explore de seguida a magnífica Catedral de Wawel , um dos edifícios sagrados mais importantes da Polónia. Com mais de mil anos de história, é o local de repouso final de inúmeras figuras religiosas, 39 antigos monarcas polacos e ainda, de alguns heróis nacionais. Funcionando como o centro do poder eclesiástico e monárquico da Polónia, era nesse local que os reis polacos eram coroados.No interior e no subsolo, a Catedral possui várias capelas, cuja parte central está aberta ao público de forma gratuita. Se desejar visitar as demais salas, como o Mausoléu de São Estanislau e a cripta onde estão enterrados os Reis Sigismundo, terá que pagar entrada. Aproveite para passear pelas fortificações góticas e para gozar das belas vistas, passando pela Torre dos Ladrões e outras.

Finalmente, o tour pela área do Palácio Real, vai-lhe dar a conhecer a decoração serena dos Aposentos Reais Privados e os amplos Salões de Estado, dando uma clara noção de nobreza e poder. Ao percorrer várias salas poderá admirar valiosas pinturas, móveis italianos do século XVI e belos tapetes, bem como pedras preciosas, inúmeras armas, e diversos objetos de grande significado, como a espada de coroação dos Reis Polacos.

Admitimos que pode ser desgastante tantas visitas num só dia. Não se preocupe. Parte para um momento de puro relaxamento, pelo pulmão verde da cidade: o Parque Plenty. Muito frequentado por locais e turistas, com 21 hectares e 8 km de comprimento, este parque com cerca de 30 jardins rodeia toda a Cidade Velha. A cidade possui ainda 42 parques públicos, incluindo o Jardim Botânico de Cracóvia com cerca de 5.000 plantas.

Fora do centro histórico descubra o Bairro Kazimierz: Gueto de Cracóvia e Bairro Judeu

Durante séculos, os judeus de Cracóvia foram segregados e viveram na então vila de Kazimierz, fundada no século XIV. Com a expansão da cidade, o local tornou-se num bairro e lar de uma grande comunidade, onde se construíram lojas de comércio, casas e sinagogas. Até que chegou a II Guerra Mundial e destrui praticamente tudo, deixando Kazimierz ao abandono.

Centro da vida judaica em Cracóvia há mais de 500 anos, a visita ao Bairro Kazimierz é incontornável. No seio deste antigo bairro judeu, situava-se o famoso Gueto de Cracóvia durante a ocupação nazi, onde ainda existe a Velha Sinagoga, datada do século XV. No seu interior, visite o Museu Judaico para conhecer um pouco mais sobre a Historia e o martírio dos judeus de Cracóvia durante o Holocausto.

Logo ao lado da Antiga Sinagoga, fica a Sinagoga Remuh, a mais pequena do bairro e a única que continua ativa, constituída por uma casa de oração e o velho cemitério judeu. Ao caminhar ao longo da rua Ulika Szeroka, poderá observar vários edifícios históricos judeus, tais como o Museu da Lembrança Nacional. Foi nesta rua que Steven Spielberg rodou algumas cenas do seu filme A Lista de Shindler.

Após a produção de A Lista de Schindler, o bairro foi revitalizado, transformando-se num dos locais mais populares da cidade e local de diversão noturna, para jantar e tomar uma boa vodca polaca. Mas não poderíamos falar no filme oscarizado de Steven Spielberg, sem falar numa das atrações mais visitadas da cidade: a Fábrica de Oskar Schindler, localizada na zona industrial da Cracóvia.

Graças ao filme, a história de Oskar Schindler, um bem relacionado membro do Partido Nazi, ficou mundialmente conhecida. Este informador Nazi salvou cerca de 1.750 prisioneiros, muitos deles judeus, ao empregá-los como trabalhadores na sua fábrica de panelas, durante a 2ª Guerra Mundial.

A Fábrica tornou-se num museu desde 2010. Nele vai poder ver cenas da vida diária dos trabalhadores judeus na Fabrica, através de fotos, vídeos e reconstruções. Todos esses suportes, também contam a história de Cracóvia desde a ocupação alemã até a sua libertação, que o irá transportar para o período mais negro sofrido pelos judeus durante a guerra.

Minas de Sal de Wieliczka: Maravilhe-se com galerias esculpidas e santuários subterrâneos

Outra atração bastante popular, é a entrada nas profundezas das Minas de sal de Wieliczka, situadas a 15 km do centro de Cracóvia. Esta atração tem números impressionantes, pois trata-se de uma mina bastante antiga datada do século XIII, que esteve em funcionamento até 2007. As suas escavações atingem uma profundidade incrível de 327 m, com mais de 287 km de túneis!

Deixe-se levar nesta visita guiada, numa descida até esta espetacular cidade subterrânea, construída diretamente na rocha de sal durante muitos séculos, com amplas infraestruturas como luz, água e até lojas. Um produto do trabalho de dezenas de gerações de mineiros, que acabaram por esculpir também estátuas e capelas católicas.

Aliás, os símbolos religiosos estão por toda a parte, seja em quadros e painéis, seja em esculturas de santos. Poderá contemplar até mesmo, uma enorme e belíssima igreja (St. Kinga’s Chapel), com altar e com tudo o que uma igreja deve ter, que demorou 30 anos a ser construída!

Reserve bem o seu dia, pois esta caminhada inesquecível ao longo do circuito turístico de 3 km, tem uma duração de duas horas e meia. O tour tem início com uma descida a 64 metros de profundidade, que inclui 380 degraus num total de 800 degraus por uma estrutura e escada de madeira. Atenção ao microclima da mina. No interior, a temperatura é constante a rondar os 14º C, por isso recomendamos o uso de agasalho, até mesmo durante o verão.

Visitar Auschwitz e Birkenau: a antiga máquina de matar 20 mil por dia

Cracóvia é muito procurada por turistas, principalmente pela sua proximidade ao Campo de Concentração de Auschwitz, que fica aproximadamente a 80 Km de distância, e por ser um dos locais mais marcantes da II Guerra Mundial.

Os campos de concentração de Auschwitz e Birkenau foram uns dos principais espaços utilizados pelos nazis para o extermínio de judeus, estimando-se que tenham sido executados mais de um milhão de prisioneiros só nestes campos. Por terem sido, uns dos primeiros campos a serem libertados pelas tropas soviéticas, os edifícios e instalações estão mais bem preservados, ao contrário de outros campos. Aqui, os nazis não tiveram tempo de destruir muitas das infraestruturas do complexo antes de fugirem, em janeiro de 1945.

O antigo campo foi transformado num museu em 1947 e é hoje considerado como herança humanitária, conhecido pelo nome de Memorial do Campo de Concentração de Auschwitz. Logo na entrada do campo poderá ler “Arbeit macht frei”, que significa “O trabalho liberta”. Uma ilusão criada para levar os prisioneiros a acreditar, que haveria esperança de sobrevivência, se trabalhassem muito e bem. Sabemos que não havia.

No museu bastante bem documentado de Auschwitz, ficará muito bem informado sobre este triste período, através de exposições fotográficas chocantes. Poderá observar diversos objetos pessoais dos prisioneiros, como botas e sapatos, malas, próteses, latas de alimentos, e até cabelos, que eram usados para fazer colchões durante o regime nazi.

No exterior, circule pelos edifícios dos oficiais nazis, e dos médicos que faziam experiências com os prisioneiros. Continue a caminhar por alguns casebres, passando pelas áreas da forca, das paredes de fuzilamento, câmaras de gás e dos fornos crematórios.

À 3 km de Auschwitz, ficou instalado o campo de extermínio de Birkenau, que não era mais do que uma ampliação do Campo de Auschwitz, estendido por 200 hectares. Destinado ao extermínio em massa dos judeus, minorias e presos políticos, pelo seu portão de entrada, passaram comboios carregados com mais de 90.000 prisioneiros.

A viagem de autocarro de Cracóvia até aos campos, demora 1h25m. A entrada em Auschwitz é gratuita, bem como o autocarro público que o leve de Auschwitz até Birkenau. No entanto, deverá reservar o bilhete online pelo site oficial, pois é necessário ter um passe para entrar.

Uma visita que não deixa ninguém indiferente e que o vai certamente, deixar com algum pesar. Mas vai regressar claramente mais rico…em conhecimentos históricos.

Vamos partir à aventura e libertar os sentidos? Que é como quem diz…Vamos Fugir?